Quantas vezes eu morri

Arte: Mariana da Veiga, terapeuta certificada de BodyTalk e artista visual

Edição e pós-produção: Amália Gonçalves

Decidi criar essa série de desenhos autobiográficos sobre o luto mesmo tendo resistência à palavra escrita se misturar com o grafismo. Adianto que todos os demais planos que fiz para ela foram em vão. O que ficou foram as sensações, e a narrativa de algo estranho e híbrido, entre uma história em quadrinhos – fragmentos poéticos breves, inspirados nos ´haikus´ japoneses. O caos cria, o caos destrói, e dentro dele, o que é que fica? Minha proposta não é necessariamente fazer sentido, mas trazer à luz os movimentos mentais que eu experimentei revisitando a minha experiência com lutos marcantes. Ao convidar os leitores para observar esta dança, quem sabe possamos celebrar juntxs a vida e a morte em suas várias dimensões.