Vida que vale a pena ser vivida

Alexandre Abrantes (1)

Consciência faz-se
   semente molecular
   de fazer brotar células
    de trançar tecidos.
 Costura órgãos
 em colchas orgânicas
   de frutificar sentido.
  Ah, esse eterno ter e ser !

Esse corpo oceano
preenche os (a)mares da vida
   com suas celulares gotas primordiais.

Na sua pele vibra
o finito inesquecível
Debaixo dela a eternidade
te espera.


As linhas sinuosas do tempo
costuram a geometria sagrada
de um corpo em retalhos.

(errata feita em 25 de junho 2021: inclusão dos poemas de Amanda Pinho)

A história desse artigo é bem entrelaçada com o seu conteúdo – não teria como ser diferente já que tudo faz parte do todo como postula a visão não-dualista – e, portanto, decidi contá-la de forma resumida para iniciarmos esse papo.

Tudo começou com uma postagem que fiz falando sobre a morte na minha conta do Instagram, que foi vista e comentada pela amiga Natasha, que tinha exatamente aceitado fazer o editorial dessa edição do Escuta, falando sobre Vida (e morte). Que sincronicidade! Ela prontamente observou isso e me fez o convite para escrever, e eu sem titubear também aceitei mesmo sem ter experiência com essa prática.

Até aí tudo bem, né? Mas e bloqueio criativo que me impedia de iniciar o texto? Como fazer para superá-lo? E sabe qual foi o gatilho para então o artigo “nascer”? Justamente a lembrança do “deadline”, o prazo final, a morte do prazo. Foi preciso entrar em contato com a morte para me lembrar da vida, de dar a vida (a este artigo).

E assim tive a inspiração para colocar em palavras o turbilhão de pensamentos, sensações e insights que me ocorreram! Vida e morte, como um jogo, uma dança. Vida poderia ser dita como o intervalo entre dois eventos: nascer e morrer. De quanto é esse intervalo, o que vai acontecer durante ele segue sendo um mistério, por mais que a humanidade através de vários estudos e tentativas tente prever e controlar aquilo que está além do nosso entendimento racional e do nosso controle.

Memento Mori. “Lembre-se da morte”. Essa expressão latina que remonta ao fim do século XVI era uma saudação utilizada pelos eremitas de Santo Paulo da França, porém a morte já é algo abordado pela filosofia e religiões ao longo dos séculos, afinal é uma certeza na vida de todos nós.

A interpretação dessa expressão traz uma importante reflexão: diante da lembrança de que tudo é impermanente e acabará, Eu vivo uma vida que vale a pena ser vivida? (E nesse momento te convido a pausar a leitura e deixar essa pergunta ressoar aí dentro. Solte as expectativas, o controle e simplesmente deixe fluir).

Não existe uma resposta certa ou errada. Aqui o mais importante é a pergunta e a reflexão que ela provoca. Acolha aquilo que vier, aceite, abrace. Afinal, se você está me lendo é porque está viva(o) e isso significa que é ainda é possível viver uma vida que vale a pena ser vivida!

“Mas Alexandre, minha vida não tem um propósito! Sinto-me perdida!”

E se o propósito da vida for somente estar viva? Apenas ser, estar presente e experimentar cada situação em todo seu imenso potencial, seja ele de dor ou de prazer, desagradável ou agradável? Apenas permitir que essa consciência que se manifesta em cada um de nós como indivíduos se experimente, experiencie o mundo e as suas possibilidades.

O BodyTalk system tem sido um grande aliado nas minhas práticas terapêuticas tanto como terapeuta do sistema como cliente. Dentro do protocolo utilizado por nós há uma técnica chamada “Consciência” que trabalha com temas que abrangem nossa existência, observando distorções de como interpretamos essa realidade, através de padrões estabelecidos com sistemas de crenças e filtros que fomos recebendo, criando e fortalecendo ao longo de nossas vidas. E dentro dessa técnica tem um espaço dedicado às distorções sobre a nossa percepção sobre o TEMPO.

E aqui vale novamente fazer algumas perguntas: Como é a minha relação com a morte? Entendo que é algo natural e continuo aproveitando a vida ou “morro de medo da morte”? Não tem problema ter medo, afinal é um padrão ligado a nossa sobrevivência. O grande problema é esse medo ser tão grande, que te impede de viver.

E sobre viver, lembra da última vez que você esteve inspirada e fez alguma atividade com tamanha entrega simplesmente porque ela tinha que ser feita, sem pensar nos benefícios de realizá-la ou agir de uma maneira motivada, onde o único motivo para a ação é o resultado desta?

Estar inspirada é estar num estado de fluxo, onde o ego momentaneamente perde as rédeas e permite que você apenas experimente o momento presente, um momento de entusiasmo, que é exatamente aquele em que você está tão imersa em algo que perde a noção de tempo e espaço e, quando “volta”, parece que se passaram 15 minutos mas na realidade se passou mais de 1 hora!

Imagina viver cada vez mais uma vida de forma inspirada, num estado de entusiasmo, sem reviver o seu passado ou estar presa nos projetos futuros por uma grande parte do tempo. Essa técnica auxilia nesse processo da nossa sabedoria inata – a inteligência que autorregula nosso sistema corpo e mente – de desfazer esses conteúdos que distorcem nossa percepção do mundo e nos impedem de viver desse modo, que um dia já foi o nosso jeito natural de viver a vida.

A vida somente acontece no momento presente. Pensar no futuro ou lembrar do passado ocorrem a partir do momento presente, que é o único que realmente existe! E a partir desse entendimento, quanto mais presentes, mais vivos nos sentimos! Não digo que é para abandonarmos as lembranças do que vivemos, nem deixemos de fazer planos para o que desejamos realizar, mas diminuir o tempo que passamos nesses estados e valorizando cada vez mais as pequenas ações, gestos, objetos. É resgatar o nosso “olhar de criança”, que diante de um novo mundo, onde tudo é visto e experimentado pela primeira vez, há uma imersão na experiência.

E para que esse texto não fique apenas numa esfera do intelecto, pare a leitura agora, respire fundo algumas vezes e perceba sua respiração, contemple o local onde você está e tende perceber os detalhes dos objetos, as cores, a intensidade da luz, os sons, os cheiros, o vento tocando sua pele. Vai lá!

E aí? Como foi essa simples e breve experiência pra você?

É ótima pra nos lembrar que já temos o que precisamos para viver, todo o potencial está presente aí dentro, aqui e agora, basta acessá-lo!

E se ainda persistir a sensação de que não está vivendo uma vida que vale a pena ser vivida, mapeie as mudanças que deseja, ajuste o GPS pra onde deseja chegar, sem ocupar sua mente questionando se o caminho é longo ou curto. Apenas comece a caminhada, curta cada passo do caminho, contemple o que se passa dentro e fora, pois é caminhando que se faz o caminho, e é vivendo que se faz a vida valer a pena!

Alexandre Abrantes

Para ler em pdf clique aqui

1 Alexandre Abrantes. Terapeuta certificado BodyTalk. Acupunturista. Personal Trainer. Estudos em xamanismo, bruxaria, Astrologia, tarologia, yoga e vedanta. Personal Trainer e instrutor de Yoga
# (21) 981297703. Instagram: @aleabrantes_